quarta-feira, 12 de julho de 2017

BOTECO ESPECIAL ANIVERSÁRIO DE CAMPINAS - ESTAÇÃO CULTURA


Fabiano Carriero
"Estação, lugar de idas e vindas, lugar de saudades e reencontros, por isso minha obra será feita com este intuito de lembrar a chegada de alguém a esta cidade de Campinas. "
Carriero é natural de Campinas-SP, mas cresceu em Araruama-RJ, onde aprendeu tudo com a infância de moleque descalço. Formado em  Artes Visuais na PuCC. Com a prática de caricatura em sua formação no qual , levou estes “exageros” da estética para o mundo das Artes Plásticas, e  vem adentrando -se a cada nova obra. Frequentou as aulas de Bira Dantas, Paulo Branco e Paulo Cheida. Desde 2007 expõe suas obras  na feira do Centro de Convivência de Campinas, levando sua arte para o publico, No que se refere a exposições:  Academia Campineira de Letras e Arte, Casa do Lago (Unicamp), Clube Cultura Artística, Estação Guanabara, (Centro Ciências Letras e Artes), Museu Carlos Gomes, Museu de Imagem e Som, Memorial da América Latina (SP), Casa do Povoador (Piracicaba), Casa de Cultura José Geraldo Caú (Araruama-RJ), Pinacoteca Municipal de São Caetano do Sul, em São Carlos, Oficina Cultural Regional “Sérgio Buarque de Holanda”; Dupla Face CDHU, de Piracicaba, Ateliê Vivaz, Galeria Sede, Galeria de artes da PUCC. Tem feito curadorias, as mais relevantes: Biblioteca Pública Municipal de Campinas “Ernesto Manoel Zink”, Sesc Campinas e Folha Galeria.
Desde o fim de 2016 é um dos fundadores da Folha Galeria.



João Bosco
Artista auto – didata, João Bosco começou sua relação com a arte ainda criança em Redenção da Serra.  Já gostava dos traços e linhas que lhe chamavam mais a atenção do que os outros conteúdos da escola.  Em casa, o ambiente também propiciava isso, os irmãos mais velhos eram engajados no teatro, coral e o pai era um artista na culinária atraindo muitos para saborear seus pães, broas pastéis...  Seu contato com as artes plásticas decorreu das visitas de sua mãe à mãe do artista Justino.  A atração pelas tintas o puxava ao ateliê do artista que o recebia e enquanto produzia João o observava e absorvia aquela atmosfera.  Se na sua “primeira formação” está aí, em seu período de SP e RJ foi construindo uma galeria de personagens, ao mesmo tempo, em que começou a desenvolver sua arqueologia pessoal, uma busca dos objetos da sua Redenção de seu olhar sobre os quintais dessa terra inundada pelo progresso, pela represa que a sepultou.  Daí seu trabalho ter esse processo de resgate permanente.  Em Campinas, junto a esse movimento que foi se fortalecendo, começou um significativo trabalho de ateliê no serviço de saúde Candido Ferreira, sendo que, os frutos foram se revelando ao longo dos anos, freqüentadores do ateliê ganharam premiações relevantes na área das artes (prêmio Günter, Mapa cultural paulista, participação e Tb premiação em bienais significativas como a de Santos) E é dessa forma, dialógica que agora desenvolve oficinas culturais.  Recentemente, seu trabalho de desenhista ganhou novo fôlego ao atuar como ilustrador.  E aqui também sua arte tem a sua marca de arqueologia, de resgate, mas também é espaço de renovação, aprimoramento: começa a incorporar e se desenvolver na monotipia.  Esse trabalho de ilustração já está se revelando em mostras.

Andarilhos, passantes, outrora navegantes?
Figuras que trazem estranheza aos fixados.
São espelhos soltos de quantas memórias?
O caminhante faz dos lugares paisagens, não abrigo.
Segue, talvez sem bússola.
Traz, em si, o outro. Espaço para o diálogo, que é  palavra viva.
O mundo de quem caminha está no que carrega e carrega o que escolhe e escolhe o que lhe é essencial – espelho de quem é.
Espelho que só termina quando terminar o caminho?
Eni Ilis

A programação especial do sábado de julho do Boteco conta ainda com um bazar que trará expositores nas áreas de moda, arte, decoração, e também haverá uma intervenção artística dos artistas plásticos Fabiano Carriero e João Bosco. Os artistas estarão produzindo uma obra especial para o aniversário da cidade, na plataforma da Estação Cultura durante o Boteco. Os artistas foram propostos pelo Ateliê da Estação com apoio da Usina Geradora de Cultura e coordenação da Estação Cultura.
BOTECO ESPECIAL ANIVERSÁRIO DE CAMPINAS
ESTAÇÃO CULTURA
André Oliveira, Ilcéi Mirian, Silo Sotil, Felipinho Motivação, Kilder
15 julho ( sábado) a partir das 13h,
música, exposições, artes visuais, feira criativa de criadores e comida de boteco
Local: Estação Cultura - Praça Marechal Floriano Peixoto, s/n, Centro - Campinas.
Entrada e estacionamento gratuitos
(Estacionamento com entrada pela Vila Industrial, na Rua Francisco Teodoro, 1050)

re(Creações) de CLARA ANDRADE - Galeria de Arte de Cascais - Estoril.

É com a maior alegria que vos convido para a inauguração da minha segunda exposição individual (re) Creações,
 no dia 5 de Agosto pelas 17H00, 
na sala de exposições da Junta de Freguesia Cascais- Estoril. 

                                                                                                                                            Clara Andrade


quinta-feira, 6 de julho de 2017

GEOGRAFIAS INTERNAS de ENI ILIS no MUSEU DA IMAGEM E DO SOM em CAMPINAS/SP

ATENÇÃO... ABERTURA EM 06 DE JULHO




  

A mostra Geografias Internas de Eni Ilis reúne 48 desenhos e livros de artista no 
Museu da Imagem e do Som (r: Regente Feijó, 859, centro, Campinas, SP CEP 13013-051). 
A abertura será em 5 de julho, e  a mostra poderá ser visitada até 19 de julho. 
A curadoria é de João Bosco.
A artista apresenta trabalhos inéditos da série produzidos em papel reciclado no ano de 2013, 
além de livros de artista em técnica mista.
Eni Ilis é artista autodidata, com participações em mostras da região e ilustrações em revistas digitais.

Informativo:
Exposição: Geografias Internas (Eni Ilis)
Curadoria: João  Bosco
Abertura: 5 de julho de 2017
Período da mostra: 5 de julho até 19 de julho de 2017
Horário: das 9h às 20h
Entrada franca
Local: Museu da Imagem e do Som (MIS)
Endereço: r: Regente Feijó, 859 centro
Campinas, SP CEP 13013-051