terça-feira, 20 de junho de 2017

UM OLHAR NA ESTAÇÃO, de DEOLINDA DELLA NINA - CAMPINAS/SP.








UM OLHAR NA ESTAÇÃO
As galerias  da Estação Cultura  recebem no  dia 24  de junho, sábado, a partir das 15h, a exposição

Um Olhar na Estação da artista Deolinda Della Nina.

A artista traz a proposta  de instalação de painéis contendo imagens de detalhes do espaço da estação. A utilização do próprio local de exposição das obras como objeto de observação para o desenho.
O conceito é fazer o expectador atentar para a sua memória visual do espaço, reconhecê-lo. O desenho nesse aspecto se incorpora ao ambiente.
Também fazer com que as obras estabeleçam um vínculo entre o conceito e o ambiente onde essas se apresentam, dialogam com o espaço, com o tempo e com o espectador, suas características formais dependem das características estéticas do ambiente.
Serão utilizados painéis translúcidos coloridos.
A exposição nas galerias da Estação Cultura uma iniciativa da Coordenadoria da Estação Cultura em parceria com a Usina Geradora, Ateliê da Estação Cultura e Ateliê Aquastre do artista João Bosco.
 UM OLHAR NA ESTAÇÃO
Deolinda Della Nina
Quando: abertura 24 de junho a partir das 15h
De 24  de junho a  23 julho

De segunda a sábado das 9h às 21h
Domingos e feriados das  9h às 20h
Estação Cultura
Praça Mal Floriano Peixoto, Centro.
Entrada e estacionamento gratuitos
Rua Francisco Teodoro, 1050 - Vila Industrial 
Campinas/SP

DO ESCRIBA CELESTIAL, DIRETAMENTE DA EMBAIXADA TERRENAL REPÚBLICA DE PATLAND





terça-feira, 6 de junho de 2017

PARA ARNOLFINI... SANDWICHE...



CONVOCATÓRIA

http://arnolfini-mma.blogspot.com.br/2017/06/no39-szendvicsek-sandwiches.html

SANDWICHES PARA ARNOLFINI - ARTE POSTAL ELETRÔNICO



Dear Visitor! Our dear Friend!
Hereby we invite you to participate in the newest round of Arnolfini Archives’ project called Mini[e]MailArt,
with the subject: Sandwiches.

Your tasks are as follows:
1 To save the mma39 file into your computer; this file appears in big size (600x600 pixels; 300 dpi) by clicking on this sign: }}}{{{ 
2
 To open it using a graphic program.

3 To place one or more sandwiches on the surface.  
4 To save changes.  
5 To send your work (only one) back to Arnolfini Archives by e-mail - mma@arnolfini.hu - till 31 August 2017; in the e-mail please write us your name, country, and – if you have – your blog and/or website address.
6 To keep watching the arriving works in this blog.

  
Kedves Látogató! Kedves Barátunk!
Ezennel felkérünk, hogy vegyél részt az Arnolfini Archívum
Mini[e]MailArt projektjének legújabb fordulójában,
amelynek címe: Szendvicsek.

Feladatod a következő:
1 Letölteni a gépedre az mma39 nevű fájlt, amely nagy méretben (600x600 pixel; 300 dpi) az itt látható jelre kattintva jelenik meg: }}}{{{
2 Megnyitni azt valamilyen grafikus programban.  
3 Elhelyezni egy vagy több szendvicset a felületen.  
4 Elmenteni a változtatásokat.  
5 Visszaküldeni a művet (egyetlen képet) az Arnolfini Archívumnak e-mailben - mma@arnolfini.hu - legkésőbb 2017. augusztus 31-ig, a levélben feltüntetve neved, országod, s ha van, akkor blogod/honlapod címét is.  
6 Megtekinteni a beérkezett és folyamatosan publikált munkákat ebben a blogban.

http://arnolfini-mma.blogspot.com.br/2017/06/no39-szendvicsek-sandwiches.html

domingo, 28 de maio de 2017

GEOGRAFIAS INTERNAS DE ENI ILIS NO CCLA - CENTRO DE CIÊNCIAS, LETRAS E ARTES - CAMPINAS/SP





A mostra Geografia Internas de Eni Ilis 
reúne  23 desenhos inéditos realizados com  caneta esferográfica sobre papel cartão, no espaço do CCLA - Centro de Ciências Letras e  Artes -, na rua Bernardino de Campos, 989 – centro Campinas- SP.
wwhttp://ccla.org.br/,w.facebook.com/pages

A abertura será em 1° de junho e a mostra seguirá até dia 23.
  Curadoria de João Bosco.

Em Eni Ilis, percebemos que a força de seu traçado e de suas linhas reside não na pressão desmedida do lápis, como poderíamos pensar ao falarmos de força, mas, na delicadeza e no domínio com que trabalha esta ferramenta tão pouco utilizada em tempos de computadores, celulares, tablets, redes sociais. É neste suave controle, de uma disciplina rigorosa, que sua linha flui leve, porém intensa, forte, em um desenho que demonstra a sua segurança ao fazer. Seu desenho corre sem hesitar e se se retém, em algum momento, é apenas para demonstrar de forma mais incisiva o que já se sabe. Uma espécie de parada para reforçar o que se quer afirmar, como quem diz: ei, é isto mesmo que você está vendo?! As linhas de Eni nos provocam e conduzem para dentro de seu universo onírico, mitológico, fabuloso e por que não dizer surreal? Constrói uma realidade suspensa, que nos faz questionar a nossa própria realidade.
Ao longo da história da humanidade e consequentemente da arte, dos gregos, aos egípcios, passando pelos povos do oriente médio aos povos da Ásia, ou ainda seguindo a trilha deixada pela cultura greco-romana; de Platão à Vasari; vários foram os autores que se ocuparam e discorreram sobre a maravilha do ato de perceber e fazer arte, e neste caso, o ato de desenhar. As conjecturas advindas desta ação, em geral, eram consideradas, e ainda são de alguma maneira, como uma forma para se materializar nosso entendimento do mundo. Basta para isto entendermos o desenho como um canal ou meio para a construção de uma realidade possível, utópica por vezes, mas, capaz de gerar conhecimento e transformar o mundo real. É conhecida a ideia de Leonardo da Vinci que em seus escritos, avisa-nos que o desenho é pertencente ao campo do mental, portanto, razão. Porém, sabemos hoje por meio de autores contemporâneos e igualmente estudiosos deste assunto, que sua complexidade em materialização se dá por caminhos nem sempre precisos. Como chega até nós, como se configura e se materializa; se é por meio de sonhos, em um mundo sutil e subconsciente, ou por auxílio de facilidades tecnológicas; ou quem sabe, fruto de intensa procura e observação, embasado em sólidas referências e por um estudo rigoroso da forma; há os que defendem uma concepção metódica, por meio de regras e há também os que romperam com estes métodos desde o modernismo, adotando para si a abolição total de regras a serem seguidas. Seja como for, o trabalho de Ení revela muito mais de nosso mundo, mesmo quando discute algo íntimo, pessoal. É que temos características universais, humanas, dores, medos, amores, alegrias, tristezas, uma infinidade de sentimentos e sensações. E ainda que Eni recorra apenas ao seu universo pessoal, quando fala de si, fala de todos nós. Portanto, seu desenho se torna um exercício de meditação e introspecção coletiva.
Guarulhos, 30 de dezembro de 2015
Alexandre Gomes Vilas Boas

Artista errante insistente

sábado, 27 de maio de 2017

“A TECER COTIDIANOS“ Individual do artista João Bosco - GALERIA FOLHA - CAMPINAS/SP






 “ A TECER COTIDIANOS “

Individual do artista João Bosco

Abertura da mostra: 02 de junho das 18h às 21h.

Período da mostra: 02 de junho a 14 de junho de 2017.


Local:  Galeria Folha 


Rua Doutor Salles de Oliveira, 1383 - Vila Industrial

Campinas/SP